domingo, 28 de maio de 2017

ANTOLOGIA: OS ANIMAIS TAMBÉM VÃO PARA O CÉU - Editora Sinna

Olá auxiliadores e auxiliadoras de animaizinhos!
Tudo bem?

Antes de começarmos, tenho que falar uma coisinha com vocês...
Todo mundo sabe que não curto expor minha vida pessoal e os meus problemas aqui, mas, por causa dos que me visualizam e comentam minhas postagens, resolvi dizer, sem detalhes, que ultimamente não tenho vivido uma fase muito legal na minha vida. Com isso, a inspiração não vem e alguns textos deste blog estão sendo feitos de qualquer jeito, sabem? E, confesso, que isso tem me incomodado muito por que desde que comecei a postar coisas como blogueiro sempre pensei, além de divulgar autores, em entretê-los. Por isso, em meu nome, peço desculpas a todos pela falta de inspiração em alguns textos! :)

Depois dos esclarecimentos, vamos aos negócios, né?
Para quem me acompanha aqui, eu disse, no início da última postagem, que, por causa de estar tentando escrever um conto, tinha ficado ausente alguns dias e disse que revelaria o motivo disso na próxima vez, lembram? Então, o momento chegou!!!!

A Editora Sinna juntamente com a autora Camila Pelegrini, dos sucessos "SOMBRAS DO MEDO" e "AOS OLHOS DE ZOE" estão organizando a antologia: OS ANIMAIS TAMBÉM VÃO PARA O CÉU. Além da já citada organizadora, terão contos de Katerine Grinaldi, Tabatha Cuzziol, Décio Gomes, Italo Natã, Evelyn Santana, Michal Vasconcelos, Bruno Godoi, Irina Nikolaievich, Malu Ghiraldeli e Martha Ricas. Autores tão incríveis que TENHO CERTEZA que o farão se apaixonar mais ainda pelos pets com histórias emocionantes e cheias de amor. Junto deles terão mais alguns que serão escolhidos e daí que entra o meu motivo de estar escrevendo o conto, entendem?
Depois dessa frase, você deve estar pensando bobagem, por isso vou explicar o real motivo de eu estar participando, antes que alguma pergunta apareça! :@
Bom, é que além de todos os autores - convidados ou escolhidos - estarem oferecendo seus textos gratuitamente, toda a renda da venda do livro será revertida para instituições que visam o cuidado dos cãezinhos ou gatinhos que são retirados das ruas e bem tratados para que possam ser adotados para serem amados.
"Mas Guinho como posso ajudar se a antologia não está pronta ainda?", a pergunta chegou!!!!
Meu caro visualizador, você já pode ajudar, como?

É só entrar neste link e contribuir:
https://www.catarse.me/os_animais_tambem_vao_ao_ceu_e7d6

O melhor é que a Editora Sinna e a Camila Pelegrini ficaram tão agradecidos com a sua ajuda que, conforme o valor que você contribuir, lhe darão livros, você terá o nome dos agradecimentos, poderá ganhar marcadores, cartões, chaveiros, ecobags, canecas e o melhor, mimos para o seu pet.
Não é demais? ^^
Então o que está esperando? Doe e salve um animalzinho! <3






  



 

quarta-feira, 24 de maio de 2017

INDICANDO - QUASI DI VERDADI - KELLY CHRISTI

Olá visualizadores e visualizadoras.
Tudo certo com vocês??

Dei uma sumida, né? Então, vamos as típicas explicações!!! hahahaha
Além de problemas pessoais que vem acarretando em minha saúde, estou escrevendo um conto para uma Antologia. Mas isso é assunto para as próximas postagens. Bom, depois desses rápidos esclarecimentos vamos começar...

Primeiramente, vou contar uma história!
A autora me procurou em abril me pedindo divulgação de seu novo livro que seria lançado no mês, mas devido a falta de tempo com o Litera Abril, o Pequena Ajuda e coisas particulares não pude fazer aquilo naquele instante, apesar de ter aceitado o pedido. Então, depois de ter concretizado minhas tarefas, resolvi ler a obra que a mesma me enviou no formato PDF em um final de semana e de uma sessão "NOVOS TALENTOS", 'Quasi di Verdadi' se transformou em uma indicação. Porém, como a autora não apareceu aqui ainda, a classificarei como um novo talento também. Por isso, vamos conhecê-la?
 
Kelly Christi nasceu em Santo André, no ABC-Paulista, começou a escrever para revistas independentes e diários escondidos, ainda na adolescência. Formou-se em linguística, na Universidade Federal de São Carlos-UFSCar e se especializou em comunicação, é jornalista e editora de textos para mídia digital, passando por veículos de boa circulação. Além de contos, escreve crônicas no blog Pequenos Deleites em uma linguagem leve e bem-humorada.

Depois de já apresentada, agora vou dizer o motivo da indicação de sua obra.
Bom, para ser sincero, não sou fã de poesias, crônicas e contos (apesar de ter alguns poemas meus aqui  e estar escrevendo um conto) por que acho que não tenho tanta facilidade como nas histórias de ficção e também, levando em conta os livros que li, estes gêneros literários são geralmente tomados de formas poéticas e cunhados de acidez política. Mas 'Quasi di Verdadi' mudou a minha opinião sobre isso.
"Guinho, o que te fez mudar?", sabia que vocês não ficariam sem perguntar.
Apesar da obra ser uma reunião de contos - com os elementos clichês citados acima -, Kelly os escreve com tanta simplicidade e realismo que dá a ideia de alguém muito sensível estar reparando pequenas coisas além das 'correrias' metropolitanas e estar as relatando em um diário. 
Tenho que dar o braço a torcer em relação a editora Litteral - coisa que não faço aqui, por que não menciono editoras - que acertou na escolha do desenho da capa e nas cores do livro. A arte do desenho e as cores púrpura do seu interior e o branco das letras deu um ar urbano para a obra. Corro o risco de dizer que quando estava lendo o livro, imaginei estar andando na rua e vi paredes sendo pichadas com os contos.
Bem, se eu disser mais coisas vai virar mais uma resenha, né? Então vou parar por aqui! Indico por que, parafraseando o título, ao ler o livro você se sentirá 'Quasi di verdadi' por que se verá nos personagens dos contos! ^^ 
Se recomendo para adquirir? Lógico! Por isso vou deixar os links de compra no fim da postagem. Também vou deixar as redes sociais da autora para quem quiser bater um papo com ela ou simplesmente conhecê-la mais e suas obras, ok?

 
 Link de compra do livro
Amazon : https://www.amazon.com.br/Quasi-di-Verdadi-Kelly-Christi-ebook/dp/B06Y6KSM4L

Saraiva (esse é da versão com diagramação roxinha-personalizada): http://www.saraiva.com.br/quasi-di-verdadi-9522949.html

Links da autora
Blog: http://www.facebook.com/pdeleites
Livro: http://www.facebook.com/livroquasidiverdadi
Pessoal: http://www.facebook.com/kellychristi
Instagram: @kelly_christi





   

domingo, 21 de maio de 2017

AVALIANDO COISAS - O PODEROSO CHEFÃO (FILME)

O Poderoso Chefão
Gênero: Drama\Policial
Direção: Francis Ford Coppola
Elenco: Marlon Brando, Al Pacino, Robert Duvall, Diane Keaton, James Caan, John Cazale, Richard Castellano, Talia Shire e Abe Vigoda.
Estados Unidos
1972
SINOPSE: Don Vito Corleone (Marlon Brando) é o chefe de uma "família" de Nova York que está feliz, pois Connie (Talia Shire), sua filha, se casou com Carlo (Gianni Russo). Porém, durante a festa, Bonasera (Salvatore Corsitto) é visto no escritório de Don Corleone pedindo "justiça", vingança na verdade contra membros de uma quadrilha, que espancaram barbaramente sua filha por ela ter se recusado a fazer sexo para preservar a honra. Vito discute, mas os argumentos de Bonasera o sensibilizam e ele promete que os homens, que maltrataram a filha de Bonasera não serão mortos, pois ela também não foi, mas serão severamente castigados. Vito porém deixa claro que ele pode chamar Bonasera algum dia para devolver o "favor". Do lado de fora, no meio da festa, está o terceiro filho de Vito, Michael (Al Pacino), um capitão da marinha muito decorado que há pouco voltou da 2ª Guerra Mundial. Universitário educado, sensível e perceptivo, ele quase não é notado pela maioria dos presentes, com exceção de uma namorada da faculdade, Kay Adams (Diane Keaton), que não tem descendência italiana mas que ele ama. Em contrapartida há alguém que é bem notado, Johnny Fontane (Al Martino), um cantor de baladas românticas que provoca gritos entre as jovens que beiram a histeria. Don Corleone já o tinha ajudado, quando Johnny ainda estava em começo de carreira e estava preso por um contrato com o líder de uma grande banda, mas a carreira de Johnny deslanchou e ele queria fazer uma carreira solo. Por ser seu padrinho Vito foi procurar o líder da banda e ofereceu 10 mil dólares para deixar Johnny sair, mas teve o pedido recusado. Assim, no dia seguinte Vito voltou acompanhado por Luca Brasi (Lenny Montana), um capanga, e após uma hora ele assinou a liberação por apenas mil dólares, mas havia um detalhe: nas "negociações" Luca colocou uma arma na cabeça do líder da banda. Agora, no meio da alegria da festa, Johnny quer falar algo sério com Vito, pois precisa conseguir o principal papel em um filme para levantar sua carreira, mas o chefe do estúdio, Jack Woltz (John Marley), nem pensa em contratá-lo. Nervoso, Johnny começa a chorar e Vito, irritado, o esbofeteia, mas promete que ele conseguirá o almejado papel. Enquanto a festa continua acontecendo, Don Corleone comunica a Tom Hagen (Robert Duvall), seu filho adotivo que atua como conselheiro, que Carlo terá um emprego mas nada muito importante, e que os "negócios" não devem ser discutidos na sua frente. Os verdadeiros problemas começam para Vito quando Sollozzo (Al Lettieri), um gângster que tem apoio de uma família rival, encabeçada por Phillip Tattaglia (Victor Rendina) e seu filho Bruno (Tony Giorgio). Sollozzo, em uma reunião com Vito, Sonny e outros, conta para a família que ele pretende estabelecer um grande esquema de vendas de narcóticos em Nova York, mas exige permissão e proteção política de Vito para agir. Don Corleone odeia esta idéia, pois está satisfeito em operar com jogo, mulheres e proteção, mas isto será apenas a ponta do iceberg de uma mortal luta entre as "famílias".
OPINIÃO: Para começar, devo dizer que acho ‘O PODEROSO CHEFÃO’ a melhor trilogia cinematográfica de todos os tempos, tanto que até fiz uma TAG literária aqui relacionada a este tema. Mas, apesar de ter feito maratona na primeira vez que o assisti, resolvi falar somente do primeiro filme que, para mim, é o melhor dos três. Porém, durante a resenha responderei por que acho isso.
Como todo mundo sabe, ‘O PODEROSO CHEFÃO’ é baseado num livro com o mesmo nome escrito por Mario Puzo que também o roteiriza junto ao diretor Francis Ford Coppola. A história basicamente fala das desventuras de uma família italiana que vive nos Estados Unidos pós-segunda Guerra Mundial através de negócios ilegais com jogos e mulheres.
Lendo isso você pode pensar: “Ah, Guinho! Mais um filme de máfia onde um monte de homem briga por dinheiro?!” Sim, meu caro e minha cara, tu tem razão, existe este elemento durante a película. Entretanto há componentes que excluem esse estereótipo mencionado por ti.
O filme tem indícios de ser da máfia: extrema violência, armas, palavrão..., mas o tom dramático inserido na narrativa ameniza isso, tanto que a palavra ‘máfia’ é substituída por ‘família’ pelos roteiristas, deixando o telespectador membro dos Corleone. Não posso esquecer de jeito algum, as sub-tramas que evidenciam o que acabei de mencionar: o patriarca, já em idade avançada, não consegue cuidar dos negócios e tem que procurar um substituto; o filho mais novo que tenta a todo custo não ser igual a sua família, mas que por circunstâncias do destino acaba envolto por aquilo tudo; a fidelidade dos amigos e o cumprimento das palavras... entre outras coisas.
“Meu Deus! E aquela música de início?!” Ela é tão perfeita! Por que tem a melancolia dramática e tom siciliano que o enredo precisa. Nino Rota insere, além destas versões da canção inicial, música clássica principalmente nas cenas primordiais deixando o filme uma obra de arte.
Para ser sincero, o filme é longo - duas horas e cinquenta e cinco minutos -, mas você não se sente cansado ou com sono por que o longa não é maçante. Como tem também um tom dramático, já citado aqui, algumas cenas podem ser paradas com muitos diálogos, mas, de repente: ‘BUM’, acontece alguma coisa e agita o enredo, por isso os ‘takes’ de uma cena para outra são rápidos. Eu não posso deixar de citar a fotografia excelente que nos momentos dramáticos – nas mortes, principalmente - é bem sombrio e nos alegres, como no casamento de Connie, tons mais vivos de luz.                
Francis Ford Coppola foi incrível em todo o filme. Mas tenho que ressaltar o seu ‘casting’ de atores. Uma coisa que não posso deixar de parabeniza-lo é de ele ter ‘brigado’ com a produtora e ter escalado o saudoso e gênio ator Marlon Brando, apesar das inúmeras polêmicas - aliás, uma que causou após ter ganhado o Oscar deste mesmo filme – por que deu vida a Vito Corleone, um dos personagens mais icônicos da cultura Pop. Outra menção é o fato de o diretor deixar que os atores improvisassem, tanto que o gato da primeira cena não estava no roteiro e o ensaio nervoso de Lenny Montana, intérprete do fiel Luca Brasi, se tornou parte da película.
Mesmo depois de tudo que citei aí em cima, você ainda continuar duvidando de mim, vou citar alguns argumentos que mostram o motivo do primeiro filme da TRILOGIA: O PODEROSO CHEFÃO ser o motivo de eu ter o escolhido:

- Foi indicado 11 vezes ao Oscar ganhando em três categorias, incluindo Melhor Filme e melhor ator para Marlon Brando;
- Ganhou Bafta e Globo de Ouro, repetindo a dobradinha no Oscar de Filme, Ator e Roteiro Adaptado para Mario Puzo e Francis Ford Coppola.
- É considerado “culturalmente, historicamente e esteticamente significante” e selecionado pela Biblioteca do Congresso para ser preservado no National Film Registry.
- O American Film Institute apontou-o como o melhor filme de gângster de todos os tempos e o segundo melhor filme da história na lista dos melhores filmes norte-americanos.
- ‘O Poderoso Chefão’ é um dos mais aclamados e mais importantes filmes da história do cinema.
- Apesar de ser de 1972, não é datado e algumas cenas ou personagens, como a inicial – já citada aqui – são mencionados por alguns programas de TV como a série “Eu, a Patroa e as Crianças” e o seriado “Os Simpsons”.
- Tem as frases mais lembradas e de cunho filosófico e social, que, para ser sincero, podem ser usadas em qualquer situação da nossa vida cotidiana. Por exemplo: “Um homem que não se dedica à família jamais será um homem de verdade.”; “Deixe que seus amigos subestimem suas qualidades e que seus inimigos superestimem seus defeitos.” e “Todo o poder do mundo não pode mudar o destino.”           

Se ainda não se convenceu com todos esses argumentos, assista esta obra-prima e tire suas conclusões. Garanto que não se arrependerá! 
NOTA: 10




sábado, 13 de maio de 2017

FELIZ DIA DAS MÃES!

Olá mãe dos meus visualizadores e visualizadoras.
Tudo bem com vocês?
Feliz dia das Mães! <3

Bom, neste domingo comemoramos o dia vocês, certo? Então não podia passar em branco sem alguma homenagem, não é? ^^
Apesar de ser um sujeito que não faz com frequência este tipo de coisa. Mas calma lá! Antes que vocês comecem a me xingar, vou explicar o motivo. Acredito que não homenageio muito as pessoas da minha família na internet por duas razões:
- primeiro, por que não gosto de expô-los aqui - mas não recrimino quem o faça.
- segundo, sou uma pessoa mais de atitudes do que palavras.
Por isso, hoje contarei uma bonita história que passei com a minha mãe Iani. Já havia contado brevemente esta história há dois anos atrás quando revelei o primeiro poema que escrevi na vida (no qual o repetirei mais a frente), mas, agora, contarei este dia mais detalhadamente.
Preparados para saber esta história? Então vamos lá! ^^

Lembro-me de estar no terceiro ano do Ensino Médio de uma escola particular, com meus - já completados - 17 anos de idade (faz tempo, hein? kkkkk), quando um grupo de alunos, querendo arrecadar dinheiro para algo que não me lembro, entrou na sala. A proposta deles era que nós comprássemos uma rifa que nos levaria até um sorteio onde o prêmio era um lindo vaso artesanal que seria entregue no dia da festa que a escola faria para as mães.
Pensando principalmente na felicidade que proporcionaria para a minha mãe, eu, mesmo sendo um sujeito azarado para sorteios, resolvi pagar o baixo valor da rifa e concorrer.
Na mesma semana, a dona\diretora da escola me abordou durante o intervalo e sabendo que eu escrevia, na época, peças de teatro para a igreja no qual congregávamos, me pediu para criar um texto para a festa do dia das mães. Relutei um pouco no início, mas como era para as mães, decidi aceitar em seguida. Com isso, fui para a pequena biblioteca de lá e em quinze minutos criei o meu primeiro poema na vida:

AMOR DE MÃE

O que é
O amor de mãe?
É amor verdadeiro
E primeiro.
É amor de fé.

É amor sincero.
Espero,
Que esse amor, nunca saia de nossos corações.
Que mesmo nas paixões,
Nós nunca esqueçamos esse amor.

É o amor que nos tempos
De infância
Ajuda-nos a superar
E lutar
Contra os ventos
Ruins que nos fazem derrubar.

Este e o amor de mãe
É o amor que todos nós gostamos
E dizemos a vocês, mamãe:
                                                      "NÓS TE AMAMOS"    

Após tê-lo finalizado entreguei para a Diretora e, ao lê-lo, ela achou tão lindo que, empolgada, disse que ia tirar várias cópias para entregar no dia.
Chegado o dia da Festa, como era de se esperar, todas as mães dos alunos se encontravam lá. Minha mente nunca foi tão boa, então, confesso que não me lembro das outras atrações, daquele momento. Só me recordo do instante em que a Diretora pegou o meu poema e, para a minha surpresa, pediu que eu o declamasse junto dela no microfone. Apesar da timidez diante de multidões que possuía, fiz e todas as mães, depois de lermos, estavam com lágrimas nos olhos, inclusive a minha que se encontrava visivelmente emocionada. Por fim, era o sorteio iria ser realizado! E adivinhe quem ganhou o vaso, cara visualizadora? Eu! :)
Depois de vários anos, digo com toda a sinceridade: este foi um dos melhores dias da minha vida! <3
Bem, o vaso como era feito de vidro não aguentou muito tempo e se partiu. Já o poema, mesmo em papel amarelado, é guardado com carinho pela minha mãe.

"Tem alguma moral nessa história, Guinho?", imitando o seus filhos nas perguntas hein? kkkkk
Bom queridas mamães, a única razão de ter contado esta história é para demonstrar o quanto amo a minha mãe e o quanto eu faço de tudo para vê-la feliz. Por que minha mãe não é só aquela que me gerou, que me criou, que cuidou de mim... enfim, essas funções que todos dão para as mães. Mesmo com todos os seus defeitos, minha mãe é minha amiga, minha conselheira, minha mentora, minha fã.... uma das pessoas que mais amo no mundo! <3




 


 

quinta-feira, 11 de maio de 2017

QUERO TER... - ESPECIAL LITERA ABRIL

A Estrela de Seis Pontas (Filhos de Arkhai)
(Bruno F. Oliveira)
Ano: 2017 / Páginas: 508
Editora: Editora Coerência
Gênero: Fantasia


Sinopse: “Há uma terra onde um rei impera com punho de ferro e massacra os pequenos; onde Tribos dominam o ar, a água, a terra ou o fogo; e onde feiticeiros albinos servem submissos ao bem comum... Nessa terra nasce uma aventura que te levará numa fantástica viagem ao mundo de Arkhai. Tudo tem início quando Khiara, a legítima princesa arkhaíta, desperta de um feitiço que durou dezesseis anos. Ela tende a buscar o seu passado, resgatando tudo o que ficou para trás, enquanto o seu irmão Kendry ainda dorme. Na companhia de alguns jovens que encontra pelo caminho, com os quais cria um laço eterno de irmandade, Khiara descobre muitas mentiras e tramas por poder. Uma jornada viciante que guarda muitos mistérios e que pode trazer um final não tão feliz.”

Alriet - Quando O Amor Acontece
(Grazi Fontes)
Ano: 2016 / Páginas: 301
Editora: Kindle Amazon
Gênero: Jovem adulto / Literatura Brasileira / Romance

Sinopse: ALECSANDER, um rapaz tímido que tem dificuldades em se aproximar de garotas. HARRIET, uma garota destemida, alegre e nem um pouco tímida, mas muito desastrada e solitária, pois praticamente passou toda a infância viajando.
Um encontro inesperado se transformou em uma grande amizade que já dura há anos. São confidentes e o suporte quando um deles cai. Praticamente não vivem um sem o outro. Sempre encontram uma maneira de manter contato. Seja por e-mail, mensagens e telefonemas. O importante é a amizade nunca desaparecer.
Até que, algo completamente extraordinário acontece, após 6 anos de amizade, o amor chacoalha a estabilidade que eles têm, precisam decidir se querem vivê-lo e correr o risco de destruir tudo o que construíram juntos durante todo esse tempo. Ou esconder o que sentem um pelo outro para não correr o risco de perder o que demoraram para conseguir, a amizade.
Alriet é uma encantadora história sobre amor e amizade que vai mexer com seu coração.

A Senhora do Caos - A Viajante e o Dragão
(W.F.Endlich)
Ano: 2016 / Páginas: 440
Editora: Independente
Gênero: Aventura / Fantasia / Ficção / Romance

Sinopse: E se você adormecesse na grama, numa tarde ensolarada e acordasse no pior pesadelo de sua vida? E se tudo que mais ama fosse tirado de você? Até onde iria para conseguir retornar pra casa? Qual preço você pagaria pra ter sua vida de volta?
Joice era apenas uma adolescente normal do interior paulista, quando é misteriosamente transportada para um mundo medieval com três sóis, onde magia existe e é a força motriz da sociedade.
Aliando-se com Kilayra, uma princesa rebelde inconformada com injustiças, envolve-se numa trama onde enfrentará seus piores medos em busca de salvar o que realmente importa: o amor, a amizade e a família.
A verdade foi oculta de você também. Descubra com ela que nosso mundo já foi território de dragões, fadas, magos e outros seres extraordinários. Viaje para o mundo que nos disseram que era apenas fantasia. Embarque nessa jornada e desvende antigos mistérios da humanidade.
Num ambiente contemporâneo mesclado com o medieval, as situações se entrelaçam de forma que fugir de seus destinos torna-se impossível. Só haverá uma opção, continuar.
A Viajante e o Dragão é o primeiro livro da série "A Senhora do Caos", repleto de magia, mistérios e seres fantásticos em um novo e extraordinário mundo.

A Verdadeira Morte
(Rennan Andrade)
Ano: 2016 / Páginas: 199
Editora: Independente
Gênero: Drama

Sinopse: 12 contos. Todos com protagonistas diferentes, contando histórias diferentes sobre família, adolescência, amizade, paixão, superação e, principalmente, sobre a vida. O quão especial ela é; o quão diferentemente ela pode ser vivida; e o quão rapidamente ela pode terminar.
Às vezes por um tiro, uma bala perdida no meio da rua, um acidente de carro numa estrada escura, ou durante ações cotidianas na vida diurna. Sempre desejamos o melhor para quem vai, mas o que acontece com quem fica? Será o luto tudo o que nos resta para superar a morte? Será o tempo o melhor remédio para quem sofre? Ou será o melhor castigo para quem deseja esquecer?
Do mesmo autor do sucesso independente A Luz de Cada Mundo, incluindo os contos #1 da Amazon, Imperfeição e Grito (de Guerra). Dedicado a todos aqueles que ainda se lembram.
O livro envolve e a leitura flui rapidamente, mas a mensagem que os contos nos trás, permanece. — Silvana Crepaldi, Blog Prefácio
Te deixará com um outro olhar sobre esse futuro que aguarda todos nós. — Carol Ramires, Arsenal de Ideias
Apesar de as histórias se focarem em uma coisa tão triste, têm mensagens de conforto e lições que ficarão para sempre. — Miriam Terra, Prólogos e Epílogos.

Estarei Aqui
(Daya Alves)
Ano: 2016 / Páginas: 326
Editora: Coerência
Gênero: Chick-lit / Humor, Comédia / Romance

Sinopse: Paloma esperou quartorze anos para realizar o sonho de casar. Enquanto aguardava ansiosa que seu noivo marcasse a tão desejada data, satisfazia-se em trabalhar com wedding planner, assessorando muitas noivas histéricas. Até que um dia, por obra do destino, acabou envolvida em uma confusão e descobriu algo que iria abalar seu relacionamento. Desiludida com o amor, ela blinda seu coração para não sofrer novamante, porém, mais uma vez, não consegue ficar longe de uma grande confusão e seu caminho cruza com o de um médico socorrista do SAMU - moreno, latino, dono de olhos verdes e um sotaque que a deixava tonta. Seria Rico capaz de abalar sua determinação?

O Jogo do Enganador
(Danilo Queiroz)
Ano: 2017 / Páginas: 260
Editora: Sinna
Gênero: Suspense e Mistério

Sinopse: Um caso de Daniel Meirelles... Para o jornalista Daniel Meirelles, uma investigação era encerrada com a prisão dos acusados e com a sentença sendo emitida. Mas, isso era apenas o que ele pensava.
Buscando o fim da corrupção que assola a cidade de Ribeirão Freire por anos, Daniel acaba descobrindo um esquema muito maior, secreto e que possui relação com um assassinato ocorrido na região há 20 anos.
Tudo sai de controle, e Daniel precisará ser rápido o suficiente para descobrir quem está eliminando todas as peças essenciais para a solução do crime. Quem é o enganador que se esconde por trás de uma combinação das letras IB?
Neste jogo, o seu oponente não tem rosto...

Pluvia
(Erica Azevedo)
Ano: 2013 / Páginas: 280
Editora: Novo Século
Gênero: Aventura\Romance\Fantasia

Sinopse: Ana cresceu empenhada em suas histórias fantásticas, mas nunca teve oportunidade de se aventurar por elas. Abandonou-as ainda na adolescência, enxergando que a realidade é dura demais para tais voos inocentes. Mas, em meio a uma viagem a um vilarejo desconhecido no sul do Brasil, ela tem a oportunidade de enveredar por um mundo totalmente novo, quando, em meio à chuva do fim de tarde, observa as gotas se transformarem em pessoas iguais a ela. Sentindo o fogo que a preenchia na infância se reacender com a curiosidade, Ana vai atrás deles e se depara com um pedido de ajuda e a descoberta de um novo mundo: Pluvia. Mas o que essas pessoas realmente escondem? E qual o segredo por trás dos profundos olhos azuis do estranho senhor da mercearia? E o que de tão terrível está assustando os pluvianos a ponto de fazê-los pedirem ajuda a uma menina indefesa? Essas respostas serão desvendadas e muitas outras perguntas surgirão no decorrer da leitura de Pluvia. O primeiro livro da série “Os Mundos” traz um misto de aventura, romance e diversão para os leitores de literatura fantástica e que, como Ana, possuem sede por conhecer outros mundos.

Querida Mamãe - Obrigado Por Tudo
(Bradley Trevor Greive)
Ano: 2001 / Páginas: 73
Editora: Sextante
Gênero: Autoajuda

Sinopse: Querida Mamãe vai ajudar os filhos de todas as idades (especialmente os que se dizem crescidos) a expressar esses sentimentos tão fundamentais com uma divertida combinação de palavras gentis e bem-humoradas e extraordinárias fotografias de animais.

Transformando suor em ouro
(Bernardinho)
Ano: 2006 / Páginas: 215
Editora: Sextante
Gênero: Administração / Negócios e Empreendedorismo

Sinopse: Como centenas de milhares de adolescentes na década de 1980, cresci apaixonado pelo vôlei. Quando íamos para a rua montar a rede e 'repetir' a atuação dos nossos ídolos, não me lembro de alguém que dissesse: 'Eu sou o Bernardinho.' Quase todos queriam representar o papel dos titulares e não do levantador reserva. Bernardinho não tinha vaga na seleção da minha rua.
Poucos poderiam imaginar que ali, no banco de reservas da seleção, atento a tudo, estivesse sendo gerado o maior técnico da história do voleibol brasileiro e um dos maiores símbolos de liderança do Brasil. O obscuro jogador reserva da geração de 1980 tornou-se um craque do esporte no nosso país - o grande astro do jogo coletivo.
Bernardinho é o divisor de águas num país que precisa aprender a importância da cooperação, da solidariedade e do trabalho em equipe. Diga que seus jogadores são baixos e Bernardinho os fará saltar mais alto. Diga que são fracos no bloqueio e ele irá torná-los os melhores do mundo.
A essência dessa transformação é a crença numa equação simples que nada tem de matemática: TRABALHO + TALENTO = SUCESSO. Não por acaso o TRABALHO vem antes do TALENTO. Para Bernardinho, a ordem desses fatores altera o produto. Apoiado no seu próprio exemplo como jogador, ele APOSTA no esforço e na perseverança, na disciplina e na obstinação.
Quando vai a empresas dar suas palestras, a razão dos aplausos freqüentes é uma só: as lições do Bernardinho se aplicam a qualquer setor da atividade humana. Ele se tornou aos poucos o símbolo da liderança moderna. Democrático, franco, aberto, mas seguro no momento de decidir.

Você é Insubstituível - Este livro revela a sua biografia
(Augusto Cury)
Ano: 2012 / Páginas: 64
Editora: Sextante (edição de bolso)
Gênero: Autoajuda / Bem estar e lazer

Sinopse: Este livro de bolso fala do amor pela vida que habita em cada ser humano. Ele conta a sua biografia. Se até hoje sua história nunca foi contada em um livro, agora ela será, pelo menos em parte. Você descobrirá alguns fatos relevantes que o tornaram o maior vencedor do mundo, o mais corajoso dos seres, o que mais cometeu loucuras de amor para poder estar vivo.
Talvez você não saiba, mas você foi profundamente "apaixonado" pela vida desde que o relógio do tempo começou a registrar as fagulhas de sua existência. Não é tão simples viver a vida. Às vezes, ela contém capítulos imprevisíveis e inevitáveis. Mas é possível escrever os principais textos de nossas vidas nos momentos mais difíceis de nossa existência.

terça-feira, 9 de maio de 2017

AVALIANDO COISAS - A FADA MADRINHA - KATE WILLIANS

A fada Madrinha
Kate Willians
2015

SINOPSE: Uma princesa mal humorada. Um príncipe nada encantado e uma fada para lá de atrapalhada.
Isso vai terminar em casamento ou em uma grande confusão?
O sonho da fada Emily sempre foi ser responsável por um “Felizes para Sempre” e ela está DISPOSTA A TUDO para realizar seu sonho.
A princesa Cate nunca quis o seu “Felizes para Sempre”, mas não está nada conformada com seu destino.
Harry não está nem aí para o “Felizes para Sempre”, só quer se livrar da chata da Cate.
Quando todos precisam trabalhar juntos para restaurar a ordem no mundo das fadas, o que era importante torna-se insignificante e grandes verdades são reveladas. Tudo com muito humor e diversão.
OPINIÃO: Antes de começar a resenha quero lembrá-los de duas coisas: primeiro, tentarei ao máximo nas minhas palavras não levar em consideração a amizade que tenho pela autora e segundo, a comparação com o seu livro anterior em alguns momentos será inevitável. Bom, agora que tudo que está esclarecido, bora lá! ^^
Diferentemente de “DISTOPIA” onde havia lido um livro distópico anteriormente, “A FADA MADRINHA” foi a minha primeira experiência no gênero e com toda a certeza, afirmo: é um ótimo caminho para quem não adentrou ainda na fantasia. Tudo por que este livro não é convencional como os que se parecem com jogos de RPG escrito – isso é o que ouço falar por aí sobre o gênero. É uma história totalmente leve, divertida e instigante! Tanto que até para mim, que sempre fui um retardatário na leitura, o finalizei rapidamente.
“O que me fez gostar tanto deste livro?”
Primeiro foi a introdução que como se fosse um manual – onde Kate explana sobre os seres elementais em Faryland e suas funções – ajudando ao leitor a adentrar no mundo em que a mesma criou. Vale ressaltar que algumas dessas informações são repetidas durante o livro, mas, ao invés de ficarem maçantes, são completamente necessárias para o andamento do enredo.
Uma coisa que me agradou bastante e que devo mencionar é a junção da fantasia com a realidade. Você verá vários personagens clichês do gênero fantástico ou dos contos de fada como: fadas, rainhas, princesas, príncipes, gnomos... mas, de forma primorosa a autora insere elementos da nossa realidade na narrativa deixando a obra mais familiar para aquele que a lê. Então podemos conhecer o Facebook das fadas: o Farybook; entrar o lar das fadas – Faryland – que é uma das atrações do Magic Kingdom da Disney, adentrar no palácio de Buckingham em Londres que é a residência de um dos personagens da trama, assistir uma cena rápida do programa de umas das mais influentes apresentadoras norte-americanas: Oprah Winfrey, e ler um post de um dos blogueiros mais famosos do mundo: Hugo Gloss.
‘A Fada Madrinha’ tem uma coisa que enalteci na obra anterior de Kate: a mudança de tom no decorrer da história. Tentando não dar spoiler – coisa que não faço aqui – vou explicar como isso acontece: o livro inicialmente é focado na comédia romântica com as desventuras da fadinha Emily, mas, enquanto as páginas se passam, a história passa a virar uma aventura empolgante sem abandonar o seu tom inicial. Mais uma vez aplaudo essa característica de Kate Willians.
Você que leu a sinopse acima e achou que é um livro somente para criança. Está completamente enganado, meu caro (a). Apesar de a premissa parecer um conto de fadas, baixinhos e grandinhos podem lê-lo! Por que no contexto da narrativa é inserido mensagens em que, na minha opinião, todos nós deveríamos seguir: a incessante busca dos sonhos e como fazer isso sem machucar ninguém; ter amizades entre indivíduos diferentes; não julgar as pessoas pelo que os outros falam.
Poucas vezes faço isso aqui por que as resenhas são mais para os autores, mas queria parabenizar a diagramação da Arwen que ajudou Kate a contar melhor sua história. Entretanto, devo reprovar a revisão da editora que deixou a desejar e em algumas partes, confundiu profundamente a leitura.
Para finalizar digo que depois de ler “A FADA MADRINHA” continuo com a mesma opinião de antes: Kate Willians, apesar da pluralidade de gêneros, ainda nos instiga e nos emociona com suas maravilhosas histórias. Mas nesta devo ressaltar uma coisa: acho que ela se divertiu enquanto a escrevia. Tanto que este livro, na minha opinião, deve ser recomendado para pessoas que querem dar boas risadas com Emily – a fadinha atrapalhada – mas também para aquelas que buscam uma história diferente e empolgante de todas as fantasias que existem por aí! S2                          

NOTA: 10



quinta-feira, 4 de maio de 2017

[TAG] COMO EU LEIO?

Olá visualizadores e visualizadoras!
Como estão, hein? ^^

Para a felicidade geral da nação literária, digo aos meus visualizadores que hoje tem TAG!!!! hahaha

"Qual será a TAG, Guinho?", começou as perguntas!!! Aff!!! :@ hehehehe
Bom, antes queria agradecer a queridíssima Tabatha Cuzziol, a pessoa que comanda perfeitamente o Canal e Blog Floretizas (deixarei os links ao término da postagem), por ter me tagueado.
Respondendo a vocês, hoje revelarei coisas sobre como lido com a leitura - um assunto que eu propago excessivamente tanto aqui, como nas palestras pelas escolas. Então vamos lá, né? ^^

Perguntas

1-Como você descobre sobre novos livros para ler?
Geralmente eu vejo as resenhas dos canais literários que gosto. Também peço dicas a amigos escritores sobre novos livros.

2-Como você entrou nesse mundo da leitura?
Desde a infância meus pais e professores sempre me incentivaram a ler, porém, por causa da preguiça constante só tomei o gosto de ler quando cursei a Faculdade de Letras onde eram apresentados muitos livros clássicos a mim que, munido a paixão de alguns professores, me fez retomar o gosto pela leitura.

3-Como o seu gosto literário mudou com o passar do tempo?
Além da faculdade, por causa da minha profissão de escritor, comecei a conhecer a literatura nacional atual e isso deixou meu gosto, que era só por livros que os filmes usaram para basear – graças a minha paixão cinematográfica - mais apurado pelos nacionais contemporâneos. Assim, fui desbravando pelos gêneros que a Literatura Nacional nos mostra.

4-Com que frequência você compra livros?
Bom, quando o dinheiro me é possível. Hahahaha Mas normalmente quando compro, aproveito as promoções das Americanas ou das revistinhas da Avon para os livros gringos (quem nunca né? Kkkkk) Já os nacionais adquiro dos próprios autores quando eles fazem aquelas promoções lindas!!! S2 #maispromocoesdeautoresnacionais hehehehe

5-Como você entrou nesse mundo dos Blogs Literários?
Por causa de uma ideia de uma prima, entrei inicialmente para mostrar os meus textos já que sou escritor. Mas com o passar do tempo e uma dica de uma marketing literária (cujo nome não lembro kkkkk) comecei a mudar o conteúdo e passei a ser considerado um blogueiro literário.

6-Como você reage quando não gosta do final de um livro?
Primeiramente, a emoção aflora e eu reclamo comigo sobre isso. Depois, a razão dá lugar e tento compreender o motivo do autor ter colocado este final. Mas para ser sincero, poucos foram os livros que desgostei do final.

7-Com que frequência você espia a última página do livro pra ver o que acontece no final?
Eu espio a última para ver quantas páginas graças a preguiça que citei aqui em uma das perguntas. Hahahaha Entretanto, munido de curiosidade, o final eu vejo quando estou nos últimos capítulos do livro. rs

8-Quem você vai marcar pra responder essa Tag? (Quem quiser...)
Blog O Quarto de Aline
Canal Laplace Cavalcanti
Blog Kate Willians
Blog Livros da Nane

Floretizas
  

terça-feira, 2 de maio de 2017

TALENTOS DO WATTPAD

Olá visualizadores e visualizadoras!
Como vocês estão hein? ^^

Chegamos em maio!!!! O tempo está passando rápido, hein? :@
Para começar este mês temos, além da presença e da postagem linda que a Mari fez, uma novidade: os autores de Wattpad estarão aqui. :)
Bom, para ser sincero, isso não foi novidade pois no ano passado tentei inseri-los aqui, mas por conta da falta de material depois da postagem resolvi adiar. Entretanto, cinco autoras maravilhosas resolveram me enviar a ficha de suas obras na plataforma e estou aqui hoje.
Então, sem mais delongas, vamos a elas, né? ^^

Manipuladores do Futuro
(Amanda Maia Gomes)
Gênero: Ficção Científica
Sinopse: Sophie leva uma vida comum, nada nela destoa da vida de outras pessoas, exceto seus sonhos, mas sua família encontra uma forma de ajudá-la e a garota deixa de ser atormentada por eles... Até agora.
A vida dela muda drasticamente depois de um acidente, que a deixou aflita e preocupada ao conseguir prever. Depois disso nada mais é como o habitual.
Ela se envolve cada vez mais em um turbilhão de conflitos familiares e segredos do passado ao conhecer um garoto misterioso. Aos poucos Sophie desvenda seus sonhos peculiares e se vê cercada por pessoas interessadas no que pode fazer.
Os problemas são... O que ela realmente pode fazer e quem são essas pessoas?


Não Tranque a Porta
(Amanda Ághata Costa)
Gênero: Conto\Romance
Sinopse: Princesas nem sempre são bem educadas ou seguem à risca as regras já estabelecidas para honrar o título que carregam. Lorena é prova viva disso, pois não se importa com julgamentos alheios ou olhares de reprovação. Disposta a encarar novas aventuras e aproveitar ao máximo as sensações que o sexo casual proporciona, faz questão de deixar de lado os parâmetros sociais e coleciona inúmeros casos de uma noite com príncipes mal intencionados. Quando não se procura o amor, nem faz questão de vivê-lo, a solução é deixar todas as portas abertas para divertir-se ao máximo com os que estiverem dispostos a satisfazer os seus desejos mais sensuais. O que Lorena não sabe, é que nem sempre é necessário estar à procura para esbarrar em sentimentos que não imaginava  que realmente pudessem existir.


Renascendo das Cinzas
(Jéssica Driely)
Gênero: Romance\Drama
Sinopse: Viver em um conto de fadas as vezes é mais difícil do que se imagina, afinal a felicidade nem sempre é tão plena como pensamos, infelizmente tudo na vida não é perfeito. Sarah pensava que sim e esse foi o seu grande erro. Será que um coração quebrado pode voltar a amar alguém depois de tudo perder o sentido?


SANGRIA: O último dia do outono
(Glau Kemp)
Gênero: Fantasia
Sinopse: Um reino fadado a lutar durante todo inverno, ano após ano contra uma maldição. Na véspera do evento mais  sombrio  do  ano.  Pessoas  comuns  são  testadas  ao  extremo.  Um amor cresce no caos, inimigos estão lado a lado e guardar um segredo pode valer mil vidas.  Guerreiros, magos, princesas e amaldiçoados : saberão que chegou  ao fim quando amar,  quando lutar,  quando acreditar  não  for  o bastante.  Até  que  ponto  você  consegue  manter  o  bem  em  seu coração, diante da obscuridade de forças malignas?


Talvez
(Giovanna Vaccaro)
Gênero: Romance
Sinopse: Se nos concentrarmos, podemos perceber que todas as palavras são certeiras no que querem dizer. Todas elas têm seus próprios significados e todas seguem em apenas uma direção.
Sim. Não. Sim. Não. Sim. Não.
No final, há apenas dois caminhos, duas escolhas, duas decisões. Sim e Não. Mas, embora todas as palavras precisem encontrar seus próprios caminhos - sim ou não -, apenas uma se destaca, contrariando todas as expectativas. Talvez. A palavra que age diferenciando os dois caminhos, já que ainda não se decidiu qual dos dois seguir.
Esta simples palavra, porém, pode ser usada para descrever duas pessoas que - ainda - não se conhecem. E é esse o seu significado: Algo de que não temos total certeza.
Então quer dizer que essas duas pessoas irão se encontrar? Talvez.
Quer dizer que é uma história de amor? Talvez.
Um drama, então? Talvez.
Ao menos, há uma história a ser contada? Talvez.
O fato é que temos que parar de nos preocupar com as pequenas coisas e dar valor para as que realmente importam.
Porque talvez sejamos apenas um talvez, tentando ser certeza. Tentando ser para sempre, e parando pela metade.
É esse o sentido do "Talvez."