sexta-feira, 25 de dezembro de 2015

AVALIANDO COISAS - CONSTANTINE (SÉRIE)

CONSTANTINE
Gênero: Terror
Criadores: Daniel Cerone e David S. Goyer
Warner Bros. TV
1°Temporada (cancelada)
2014
SINOPSE: John Constantine é um exorcista, detetive oculto e um irreverente vigarista que, depois de perder a alma de uma criança em Newcastle para um poderoso demônio, se aposenta das suas funções, internando-se voluntariamente em um manicômio. Mas, graças a uma obscura força sobrenatural que pretende invadir a humanidade, ele, relutantemente, volta à ativa para defendê-la.
OPINIÃO: A série, apesar de ser de terror com muitos sustos durante seus treze (coincidência ser um número de azar para os supersticiosos) episódios, é ótima. O ponto chave é a mescla de gêneros: como o humor e o drama, não a tornando insossa e chata num só gênero, como outras fazem. Os atores são muito bons, por exemplo, Matt Ryan que interpreta Constantine transforma o herói sobrenatural em um personagem amado e odiado ao mesmo tempo, com suas constantes expressões biformes. Além do protagonista, os antagonistas ajudam, incluindo o excelente roteiro, a não dar destaque apenas para o personagem-principal, cada um com sua característica marcante, como o Manny (Harold Perrineau), o anjo protetor de Constantine que confronta sua sobrenaturalidade com a descoberta da humanidade em si e Chas (Charles Halford), o grande companheiro do protagonista que tem uma decisão para tomar: ajudar o amigo com sua habilidade ou continuar sendo pai de família. Não devemos esquecer os efeitos especiais e sonoros que deixam as cenas mais assustadoras, principalmente no primeiro episódio “Non Est Asylum” e “The Saint of Last Resorts - Part 2”, os melhores na opinião desse que vos escreve. Falando em sons, as músicas-temas foram poucas, mas apareceram corretamente na cena que lhes pedia, com destaque para o som do Sex Pistols, Anarchy In The UK no episódio “The Devil's Vinyl”. Infelizmente, essa ótima série teve suas falhas: o primeiro episódio já citado aqui foi excelente, mas a antagonista Liv Aberdeen não foi empolgante e, nada contra a atriz Lucy Griffiths, tiraram-na da série, graças a DEUS. Sua substituta, a vidente Zed Martin que apareceu no episódio “The Darkness Beneath” deu muito certo durante o restante da série, pois sua intérprete Angélica Celaya aliou a sua beleza aos mistérios de sua personagem. Outro ponto é o foco central da série que começou com a tentativa de sobreviver de Constantine depois dos acontecimentos em Newcastle, mas se transformou na luta do anti-herói contra o aparecimento das trevas ascendentes na humanidade. Não posso deixar de dizer que a tragédia causada pelo protagonista não foi citada em alguns episódios com a aparição dos seus amigos que participaram disso, transformando-a num outro ponto dramático da série. Essa falta de foco é muito bem mostrada no último episódio “Waiting for the Man”, que retorna para o tema da tentativa de sobrevivência de Constantine colocando novamente de lado, a muito citada, trevas ascendentes.

NOTA: 9,0.

quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

LAÇOS DE CASAMENTO PARA O NATAL!!!!

Olá amigos leitores do blog A FACES DO GUERREIRO DA PAZ!
A terceira remessa chegou!
Então você que ainda não sabe o que dar de presente de Natal ou está em dúvida sobre qual livro presentear para aqueles que gostam de ler, te dou uma opção: LAÇOS DE CASAMENTO.
Sim, você dirá:
- Fica suspeito o autor falar isso, pois foi ele quem o escreveu, não?
Concordo contigo, mas não sou só eu, o autor Igor Monteiro que digo isso, mas a maioria que leu, adorou! Então se você quer uma história simples, cheia de pureza, comédia, amizade, amor e família, adquira o livro. Devido ao final de ano, tenho poucos exemplares! Então, aproveite! Mais informações falar comigo por inbox no Facebook, no WhatsApp ou deixar um comentário aqui em baixo.


quarta-feira, 16 de dezembro de 2015

LAÇOS DE CASAMENTO NO PRIMEIRO BLOG!!!!!!

Esta semana recebi uma mensagem que me fez muito feliz! A minha amiga e talentosa Bruna Alves escreveu uma resenha sobre o Laços de Casamento, meu livro, em seu blog Cultura Literária! A resenha foi tão linda que me emocionei! Típico de mim! rs
Abaixo está o link para vocês lerem!
http://www.culturaliteraria.com/2015/12/resenha-lacos-de-casamento.html
Espero que como eu amei, vocês também gostem e prestigiem a Bruna.
Obrigado! :)


sábado, 12 de dezembro de 2015

AMOR LUNAR!

O AMOR PELA LUA!

A noite chegou
e com ela
a Lua brotou.

Ó Lua!
Bem-vinda a minha vida sofrida
quero ser tua
e ter uma vida vivida.

Ó Lua!
Minha doce criança
com você
quero ter esperança.

Ó Lua!
Venha dirigir a minha vida
e impedir que ela fique perdida.

Ó Lua!
Com você tenho uma elevação
dentro do meu coração.

Ó Lua!
Me acorde desse desespero
e me faça sentir o seu cheiro.

Sem você?
Só no antigo,
no amor já vivido.

Não vá embora não
me espere para 
te dar o meu coração.



terça-feira, 8 de dezembro de 2015

MENSAGEM DE DEUS

A Procura de um Presente

Entrei e vi um anjo no balcão. Maravilhado, disse-lhe:
- Santo anjo do Senhor, o que vendes?
Respondeu-me:
- Todos os dons de Deus.
Voltei a perguntar:
- Custa caro?
- Não, é tudo de graça.
Contemplei a loja e vi jarros e vidros de fé, pacotes de esperança, caixinhas de salvação de sabedoria.
Tomei coragem e pedi:
- Quero muito amor de DEUS, todo o perdão dele, um vidro de fé, bastante felicidade e salvação para mim e para minha família.
Então o anjo do Senhor preparou-me um pequeno embrulho que cabia na minha mão. Maravilhado, perguntei-lhe:
- É possível caber tudo aqui?
- Meu querido irmão, na loja de DEUS não vendemos frutas. Apenas sementes.




quinta-feira, 3 de dezembro de 2015

AVALIANDO COISAS - O MISTÉRIO DE LAGOA SANTA

O MISTÉRIO DE LAGOA SANTA
Mércia Gama
2014

SINOPSE: Aílton volta para a fazenda abandonada de seus avós, a fim de resgatar histórias e descobrir os mistérios que rodeiam Lagoa Santa. Na fazenda, as buscas começam logo no primeiro dia. Nos dias que se seguem, com auxílio de Izadora, sua nova amiga, ele encontra as chaves e portas começam a se abrir, desvendando o mistério que ronda esse lugar.
OPINIÃO: Quando lê o título “O Mistério de Lagoa Santa”, instiga querer desvendar esse mistério do livro, mas seu começo deixa um pouco a desejar pela falta de aprofundamento de detalhes de motivos de Aílton desvendar este mistério. Entretanto, no término do livro, a autora revelando o mistério finaliza a história com êxito. O tamanho do texto pode causar confusão entre conto e um romance para o leitor, porém isso não afeta na compreensão do texto. O vocabulário é simples e rebuscado, uma coisa bem diferente da maioria dos livros e que vale um elogio deste que vos escreve. Há dois tipos de coisas que vale ressaltar: a ausência do travessão no início do penúltimo que pode causar falta de entendimento se no parágrafo a um diálogo ou a narração do protagonista; falando no protagonista, os dois últimos capítulos há uma confusão de narrador em primeira pessoa ou terceira pessoa, mas em dois parágrafos o narrador/personagem vira onisciente coisa difícil num narrador em primeira pessoa. Para finalizar, os detalhes dos cenários fazem o leitor resgatar suas memórias afetivas, como se o mesmo estivesse junto com Aílton em Lagoa Santa.  
NOTA: 8,5


terça-feira, 1 de dezembro de 2015

LAÇOS DE CASAMENTO NO YOUTUBE!!!!!

Desde que publiquei o livro LAÇOS DE CASAMENTO, tive muitas alegrias! As boas vendas (apesar da crise) do livro, as críticas positivas que venho tendo pelas ruas taubateanas, o livro no skoob, um grande site de divulgação e agora isso, LAÇOS DE CASAMENTO no Youtube! Gostaria de agradecer a Ingryd Moraes do canal Cupcakes, Livros e Modas que fez essa linda resenha sobre o meu singelo livro. Agradeço a atenção e espero que vocês possam dar uma força para mim e para minha esforçada amiga Youtuber.



sexta-feira, 27 de novembro de 2015

MENSAGEM DE AMOR

Amar

Amar, é aceitar com todo carinho a pessoa que
está ao seu lado, seja ela quem for.
Amar, é desejar um mundo melhor, e a cada
dia que passa lutar por essa melhora.
É sorrir diante da tristeza, é chorar quando
a dor for grande.
É agradecer a DEUS pela sua vida e celebrar
a sua vitória porque você existe e veio a este encontro!
"A melhor maneira de servir a DEUS é indo
ao encontro dos seus próprios sonhos, pois só quem é feliz pode,
espalhar a felicidade."
Não se esqueça: "O amor é a luz que não deixa escurecer a vida,"
O muito oferece muitos caminhos e a cada dia DEUS quer
mostrar um caminho de paz, amor e alegria, basta estarmos
com o coração aberto para que ELE quer nos dizer.
Amem-se.
Amem-se um ao outro,
Sejam felizes, e sempre com DEUS no coração.
Otávio e Vilma

terça-feira, 24 de novembro de 2015

AVALIANDO COISAS - PROCURA-SE

PROCURA-SE
Giovanna Vaccaro
2015

SINOPSE: Ariane tem pouco tempo de vida, pois sofre desde os seis anos, com a doença arterial coronariana – uma doença cardíaca genética -, rara em pessoas jovens, mas fatal. Vivendo com o auxílio de remédios, ela conta com a ajuda de seu pai e sua irmãzinha Becky. Para piorar a situação, depois de uma crise de insuficiência cardíaca, ela recebe a notícia de que deverá passar imediatamente por um transplante de coração, caso contrário, morrerá. Entretanto, seu coração tem uma nova razão para pulsar: seu novo amigo Miles. Ariane se envolve em uma paixão “quase” perfeita – diante do difícil drama que enfrenta! Juntos, os dois tentarão encontrar uma saída e farão de tudo para parar o tempo e eternizar cada segundo que lhes resta, como um extenso fio de esperança que aparece a seu futuro incerto.
OPINIÃO: Quando comecei a lê-lo, confesso que imaginei uma história previsível, mas com o passar da leitura me enganei profundamente. O livro te instiga do começo ao fim, tendo um final emocionante e surpreendente. Todos os personagens são usados, até os secundários, não deixando o livro monogâmico ou insosso descrevendo apenas os personagens principais – com destaque para Callie, a melhor personagem na opinião deste que vos escreve. Os gêneros são colocados perfeitamente de acordo com o enredo da história: os dramas sem tons “mexicanos”, mas realista; o romance entre Ariane e Miles, nada meloso e muito terno e o humor muito puro, entretanto bem divertido. As descrições não são minuciosas, mas bem detalhadas através do olhar da narradora\personagem. O vocabulário, muito falado por mim nessas resenhas, está de acordo com o público que ao livro quer passar. Um ponto que achei sensacional e muito criativo da autora foi “americanizar” a história, colocando-a os cenários, os nomes personagens... todos norte-americanos. Apenas devo ressaltar os pouquíssimos erros da revisão que deixaram palavras escritas incorretamente, mas nada que afete a perfeição do texto, sendo escolhido por mim, o melhor livro juvenil que já li.    
NOTA: 10

sábado, 21 de novembro de 2015

LAÇOS DE CASAMENTO ESTÁ NO SKOOB!!!!

Pessoal!
O Laços de Casamento está no skoob, quem quiser saber a sinopse ou mais informações só clicar no link abaixo dessa postagem, mas quem quiser adquiri-lo, é só falar comigo deixando uma mensagem nos comentários.
Obrigado! :)
 http://www.skoob.com.br/livro/536303ED545380

quarta-feira, 11 de novembro de 2015

SESSÃO NOVOS TALENTOS - HELOÍSA SCHIFFEL

Lágrimas no Papel ou A Menina dos Olhos Dourados

Prólogo

Q
uando eu tinha apenas 18 anos, muitas mudanças ocorreram comigo, e não, não era apenas puberdade.
Entendo que muitas pessoas se assustam, tentando imaginar o que poderia ter acontecido, embora tente ao máximo evitar esse assunto. Nem posso imaginar o que aconteceria se explicasse para cada pessoa que perguntou.
                Apesar de alguns anos terem se passado, me lembro de tudo em pequenos detalhes, portanto, essa aventura não será esquecida facilmente, acho melhor eu contar para entender.
                Abro os olhos, estou em frente ao Orfanato, olho sua estrutura ao longo dos anos e relembro as palavras de um velho amigo “O tempo é a única coisa inevitável”, caminho pela velha trilha, o silêncio era absoluto tirando o fato de as folhas mortas estalarem mais que antigamente. Encontro o que procuro com facilidade, apesar de não ter vindo tantas vezes quanto o cão Hati ia visitar seu dono na estação de trem, conheço esse lugar como a palma da minha mão.
                E lá estava ela, é claro que estaria, A Porta, a madeira velha, a ferrugem das dobradiças, e a fechadura que não é aberta por nenhuma chave existente no mundo, vasculho minha mente, tentando achar um motivo para chorar, não consigo, então pego o frasco preso em meu cinto e pingo uma gota na cúpula ao redor da fechadura, fazendo a porta ranger lentamente, se abrindo por completo. Tudo estava exatamente como me lembrava, teto alto, com lindos lustres, pilares grandiosos, estátuas de ouro e bronze, paredes cobertas de grandes ilustrações da Grande Batalha, e claro, o Espelho, observo a imagem do salão refletida nele, o brilho e a esplêndidade de tudo, e nem dou conta de estar ouvindo passos perante a porta. Deve ser algum mortal curioso, devo ter esquecido de fechar a porta, mas ela é mágica, deveria ter fechado sozinha no segundo depois que entrei. Fito o invasor, pronta para fazer algo, quando me dou conta do que estou vendo. Cabelos negros, brilhantes e lisos que caíam sobre as grossas sobrancelhas, realçando os olhos azuis que conhecia como ninguém, a linha curvilínea que estava estampada em seus lábios, parecia tão espantado quanto eu.
                - Will?
                - Olá, Jamie.

1º Capítulo: “O Impacto”

                O flash dispara, Jamie fecha os olhos e ainda vê na escuridão pontos brancos, encarou a parede, piscando diversas vezes esperando recuperar a visão.
                “Odeio tirar foto”, pensou ela enquanto levantava e se dirigia para a porta enrubescida. Harry a esperava do lado de fora, braços cruzados e encostado na parede, exibiu um sorriso sarcástico:
                - Já foi torturada o bastante? – pegou o celular e rapidamente tirou uma foto de sua reação, antes mesmo de ela perceber.
                - Harond Steves Jr! Você sabe que odeio tirar foto! Se a tortura fosse uma pessoa, com certeza não me deixaria em paz – seu rosto era calmo, mas seus olhos indicavam irritação.
                - Mas então... Vai no baile? – perguntou ele, colocando as mãos nos bolsos, olhando para baixo, sua armação quadrada e preta brilhou em contraste com a luz do corredor do colégio, ele respirou fundo, seu peito arfou, e em uma fração de segundo fitou Jamie, que nem neste mundo estava.
                - Jay?
                - Ah? Oi! – ela estava perdida em sua mente, observava sem objetivo pela janela, o dia estava chuvoso, o céu lembrava cor de asfalto, as gotas de chuva na janela pareciam lágrimas, e sem saber o motivo, Jamie teve aquela sensação de reconhecimento, conseguiu nomear cada uma delas, como se fossem nomes de poções mágicas... sua mãe sempre dizia “A lágrima de uma pessoa pode dizer muito sobre ela”, Jamie nunca entendia, e sua mãe nunca explicava.
                - Vai no baile? Às vezes parece que está em outro mundo- Harry estava mais sério agora, quase irritado. Jamie nem precisou pensar para responder, certamente ele já imaginara.
                - Claro que não!- franziu a testa – Doze anos nessa droga já não é o bastante?- pegou sua bolsa dentro do armário, um sorriso sarcástico e desafiador surgiu em seu rosto- Estou ocupada demais tentando ganhar do melhor jogador no Call of Duty.
Harry ergueu uma sobrancelha, pronto para gargalhar- Topa depois da aula?
- Claro.

dc

o


 quarto de Harry era como uma segunda casa para Jamie e ele, como um irmão, passou pela porta, e viu pela trigésima vez sua suposta “casa”, as paredes eram de um azul escuro, quem nem era visível pela quantidade de pôsteres grudados, Nirvana, Metallica, Helloween, Avenged, Iron Maiden e vários do The Walking Dead, uma cama de casal, uma estante cheia de filmes e jogos, um monitor e um retrato dele e Jamie com 8 anos, quando estavam na praia, ela toda coberta de areia, um sorriso de orelha a orelha, não se lembrou da última vez que se sentiu tão feliz, não sabia se era porque já estava crescida ou se o problema era ela mesmo, mas ela não sabia, não fazia ideia do que era essa sensação, que nada estava completo, ela não se sentia como ela mesma, não sabia descrever a si mesma, não sabia quem era ou o que deveria ser, e tinha a sensação que iria descobrir da pior forma. Estava tão confusa, essa é a expressão correta? Não sabia o que significavam os sonhos que anda tendo, sempre os mesmos, toda noite, um garoto, não conseguia ver seu rosto,  mas sentia que ele estava triste, pegava um frasco que na tampa possuía uma pedra brilhante, bem chamativa, e ao longo o frágil vidro era incrustado de pedras preciosas, dentro havia um líquido transparente que não reconhecia, mas parecia perigoso, acordava suando no momento em que o vidro tocava os lábios do misterioso garoto, afinal, estava  enlouquecendo? O que havia de errado? Estava literalmente concentrada, enquanto seu repentino absurdo era quebrado pelo som da guitarra de Harry.
- Olha a nova música que fizemos- ele tocou as primeiras notas que pareciam ser Grunge Rock, estavam saindo exageradamente altas através do amplificador, até que se dá conta. – Jay? Você “tá” bem? Está pálida, venha aqui – a enrolou em seus braços, verificando sua temperatura com as costas das mãos, ela estava gelada e suando frio.
Ia responder, mas seus lábios mal se mexiam, sentiu suas pálpebras ficarem pesadas e só viu escuridão.
Jamie abriu os olhos, havia algo errado, não estava  mais no quarto de Harry, ou melhor, no atual quarto. Se lembrava dele melhor do que lembrava as 10 Técnicas de Pinceladas à óleo de seu livro de Arte preferido “Arte à Mão”, as paredes com papel de aviõezinhos vermelhos e amarelos, o fundo azul, como um dia ensolarado, não havia pôsteres, a velha cama, pequena, decorada à parecer um avião, muitos e muitos brinquedos espalhados pelo piso de madeira, brincando com eles, havia um jovem garotinho e ao seu lado, uma menininha, as sardinhas destacadas pelos olhos castanhos-dourados, o cabelo parcialmente ruivo um pouco mais claro que o atual, os lábios levemente rosados. Em trilhões de pessoas nunca seria capaz de confundir aquelas duas crianças, sabia exatamente seus nomes. Harry e Jamie.
Mas não sabia o que estava acontecendo. Podia se ouvir falando, mas não conseguia sentir o tato de seu toque, sabia que era real, mas não como. Sentiu o familiar cheiro de cookies de chocolate da Sra. Steves saindo do forno. Claro, era a casa de Harry, na tarde em que o conheceu.
- Como é seu nome?
- Jamie
- Legal , Jamie, mas posso te chamar de Jay?
- Jay?- Harry a mexia e chacoalhava, abriu os olhos lentamente e sua visão se focou, estava em seu colo e pôde ver as partituras espalhadas pelo chão e dentre todas elas uma única chamou sua atenção “A Menina dos Olhos Dourados” – Jay? Meu Deus! Acorde! O que está acontecendo?  Vou ligar para a ambulância!
- Não Harry, está tudo bem – sentou-se no chão, estava tonta, sentia a ânsia de um marujo não treinado em alto mar, sua boca estava seca e com gosto de bile, o que quer que tenha acontecido, queria ir embora, tomar um banho e esquecer.
- Jay, desmaiou por cinco minutos, você comeu hoje? – “Nossa, pareciam horas” pensou ela rapidamente, Harry estava com os olhos espantados e preocupados.
- Comi Harry, agora preciso ir embora, a gente se vê amanhã- disse pegando sua boca no meio de partituras de música – Ah! Se importaria de me emprestar essa? – pegou a folha amarelada e olhou esperançosa para Harry.
- Por quê?- franziu as sobrancelhas, fazendo sua testa ficar enrugada.
- Gostei do título.

dc

A
ndava rapidamente, as pegadas enlameadas marcando sua trajetória , o frio e a umidade faziam sua respiração virar gotículas de vapor, o cascalho estava escorregadio, Max andava incansavelmente, tantos anos de treinamento fizeram-no ficar forte, não havia mais recebido notícias de Megan.
A rua estava deserta, os subúrbios normalmente são assim, cada casa não muito diferente da outra, mas ele podia ver, para os mortais é apenas uma casa branca normal, ele via a diferença, ela era visível à metros de distância. A Marca, A Lágrima Infinita, a mais poderosa, a mais divina. Era incrustrada na caixa de correio, brilhando infinitamente.
O barulho do asfalto úmido em contato com a sola de seu sapato cessou quando pisou levemente na grama molhada. Uma brisa congelante veio de repente, se aproximou da entrada, subiu os pequenos degraus, a maçaneta embaçou rapidamente ao seu leve toque, a girou lentamente, a escuridão deu lugar à luz que através da fresta iluminou todo o cômodo, entrou em estado de choque, atrás dos móveis só viu uma coisa.
Sangue.

dc
J
amie preferiu ir caminhando para sua casa, podia pensar claramente, seus braços estavam cruzados com o objetivo de diminuir o frio, vapor saía de sua boca conforme respirava. Sua jaqueta de couro estava úmida por causa do sereno resultante da temperatura e ela se dispersou pensando o porquê de ter vestido couro em um dia frio. Mas nenhum pensamento do mundo a distrairia desse.
Algo estava acontecendo com ela, e descobriria, mesmo não sabendo por onde começar. A cada passo sua mente era dominada por uma nova hipótese da situação, poderia estar sendo drogada no café da manhã, estaria louca, poderia ser filha de alienígenas, ou simplesmente estar em alguma espécie de coma, ou estar bêbada sem perceber, dadas as circunstâncias, nenhuma ideia parecia absurda.
15 minutos depois avista sua casa, aquele alívio e conforto do lar tomou conta, até seus olhos cegarem por luzes brilhantes que piscavam, chegou mais perto e enxergou de onde vinha, as letras escritas ao contrário.
POLÍCIA E AMBULÂNCIA.
Apressou o passo, até começar a correr em direção às luzes, o cascalho se agitava quando em contato com seus sapatos, criando um barulho de asfalto e cheiro de terra úmida, sua respiração já estava ofegante a medida que se aproximava do veículo, entrou em estado de choque e continuou correndo, um policial a impediu:
- Não pode entrar aí garota, é uma área restrita de investigação.
- Mas é minha casa, eu posso entrar, investigação? O que houve?
- É filha dos Gray? – ele parecia horrorizado
- Sim, sou eu, o que houve?
- Sinto-lhe dizer, mas seus pais não estão mais entre nós- o policial procurou ser o mais gentil possível, demonstrando compaixão.
- Mas – ela respira fundo, tentando entender – Como assim? Não entendo, e-eu não acredito.
- Recebemos uma ligação anônima, falando que havia muito sangue e nos disse o endereço, a porta estava aberta, sem sinais de arrombamento, então acreditamos que seja alguém que tenha a chave, há mais alguém com a chave da casa?
- Mas, Meu Deus! Não, não há ninguém!
Ele encarou e olhou para baixo por alguns segundos e virou-se para falar com seu colega.
- Não, vocês estão mentindo- ela disse, enquanto corria em direção a porta de sua casa, um policial a tentou impedi-la.
- Não, deixe-a ver por si mesma.
Estava tudo normal, a sala do jeito que sempre foi, se não fosse aquela mancha de sangue ao lado do sofá, se não fossem as viaturas e suas sirenes, poderia fechar os olhos e estar em um dia comum, poderia sentir o cheiro dos brownies que sua mãe sempre fazia nas tardes em que Harry estava lá, e de seu pai a empurrando no balanço e tentando explicar a Harry como se faz a barba, poderia lembrar das noites em que sua mãe lhe contava histórias sobre lágrimas, heróis e guerras que eram sempre vencidas, mas abria os olhos e via o caos.
E ela, que sempre achou que a morte não era um erro... sempre acreditou que tudo acontecia por um motivo, mas não havia nada que pudesse imaginar para explicar a si mesma. A morte é um erro? Pareceu, quando a sirene da ambulância desligou-se e as macas cobertas de saco preto eram colocadas pelos peritos, que fecharam a porta. E ela, que nem pode dizer adeus, disse para si mesma, esperando que pudessem ouvir, enquanto sua vida se afastava a cada segundo, deixando apenas o farfalhar de folhas e seu sussurro.
Aquilo foi o Impacto, mas como todo impacto, haveria sua superação, e com a superação, viria à vingança.
E ela jurou para si mesma.

Teria sua vingança.


quinta-feira, 5 de novembro de 2015

DÚVIDAS

O que é ficar ou como ficar?

O que é ficar sozinho?
Ficar só ou
perder o amor pelas pessoas?

O que é ficar desesperado?
Ficar com medo ou
ter uma alucinação?

O que é ficar agoniado?
Ficar com agonia ou
calar a boca sem querer calar?

O que é ficar morto?
Ficar como um cadáver ou
sonhar que é um?

O que é ficar com saudade?
Ficar com saudade ou
chorar por pessoas que você ama e
se arrepender por humilha-lás?

O que é ficar com esperança?
Ficar com esperança ou
pedir a DEUS que todas essas tristezas morram do coração?



terça-feira, 27 de outubro de 2015

PARA REFLETIR...

A Cegueira do Amor

Contam que uma vez se reuniram todos os sentimentos e qualidades dos homens em um lugar da terra.
Quando o ABORRECIMENTO havia reclamado pela terceira vez, a LOUCURA, como sempre tão louca, lhe propôs:
- Vamos brincar de esconde-esconde?
A INTRIGA levantou a sobrancelha intrigada e a CURIOSIDADE sem poder conter-se perguntou:
- Esconde-esconde? Como é isso?
- É um jogo - explicou a LOUCURA - em que eu fecho os meus olhos, conto até um milhão, enquanto vocês se encondem; quando eu terminar de contar começo a procurá-los e o primeiro que eu encontrar ocupa o meu lugar no jogo.
O ENTUSIASMO dançou, seguido pela EUFORIA. A ALEGRIA deu tantos saltos que acabou convencendo a DÚVIDA e até a APATIA, que nunca se interessava por nada.
Mas nem todos participaram, a VERDADE preferiu não se esconder:
- Para quê se no final todos me descobrem? - pensou a VERDADE.
A SOBERBA opinou que era um jogo muito tolo (no fundo o que a incomodava era que a ideia não tinha sido dela) e a COVARDIA preferiu não se arriscar.
- Um, dois, três... - começou a contar a LOUCURA.
A primeira a se esconder foi a PRESSA, que como sempre, caiu da primeira pedra do caminho.
A subiu ao céu e a INVEJA se escondeu atrás da sombra do TRIUNFO, que com seu próprio esforço tinha conseguido subir na copa da mais alta árvore.
A GENEROSIDADE quase não conseguiu se esconder, pois cada local que achava lhe parecia maravilhoso para algum de seus amigos, ao contrário do EGOÍSMO, que encontrou um ótimo lugar só para ele.
A MENTIRA se escondeu no fundo do oceano (Mentira! Foi atrás do arco-íris).
O ESQUECIMENTO, não me recordo onde se escondeu...
Quando a LOUCURA estava lá pelo 999.999, o AMOR ainda não havia achado lugar para se esconder, pois todos estavam ocupados. Até que encontrou um roseiral e decidiu ocultar-se entre as rosas.
- Um milhão! - terminada a contagem, a LOUCURA começou a procurar.
A primeira a aparecer foi a PRESSA, apenas a três passos de uma pedra. Depois escutou a , discutindo com DEUS sobre zoologia. Em um descuido encontrou a INVEJA e, claro, pode deduzir onde estava o TRIUNFO.
O EGOÍSMO não precisou ser procurado, saiu correndo de seu esconderijo, que era um ninho de vespas.
A DÚVIDA foi mais fácil ainda, encontrou-a sentada em uma cerca sem decidir de que lado se esconder.
E assim foi encontrando a todos: o TALENTO, nas ervas frescas; a ANGÚSTIA, em uma cova escura... apenas o AMOR não aparecia. Quando a LOUCURA estava dando-se por vencida, encontrou um roseiral, pegou uma forquilha e começou a mover os ramos. No mesmo instante, ouviu-se um doloroso grito. Os espinhos tinham ferido o AMOR nos olhos.
A LOUCURA não sabia o que fazer para se desculpar-se; chorou, rezou, implorou e até prometeu ser o seu guia.
Desde então o AMOR é cego e a LOUCURA sempre o acompanha.


domingo, 25 de outubro de 2015

PEQUENA AJUDA - AMOSTRA

Capítulo 1
Um Homem Fracassado

O barulho irritante do despertador do rádio relógio e a luz do sol que invadia aquele quarto fizeram um homem abrir os olhos com dificuldade. Ao abri-los, os coça para sentir se ainda estava vivo ou se tinha ido para o chamado “lugar melhor”. Percebendo que ainda estava na Terra, se levanta e, após desligar aquele som insuportável, dá uma espreguiçada.
Apenas de cueca e usando uma camiseta branca que tinha a seguinte estampa: ‘TE AMO, BASTIAN’ dentro de um grande coração, ele, passando pelo quarto escuro, vai meio sonolento até o banheiro.
Como era próximo ao cômodo anterior, liga uma das suas luzes e entra. Depois de fazer suas necessidades fisiológicas, fica diante do espelho. Lá vê um homem de aparentemente quarenta e cinco anos, com cabelo grande desgrenhado, barba por fazer e marcas roxas por debaixo de seus olhos. Ele, após lavar seu rosto sonolento e olhar seu reflexo, diz:
- Você é um fracassado.
Após escovar seus dentes, pega dois frascos dentro do armário de onde o espelho estava acoplado e, ao desligar uma das lâmpadas do pequeno cômodo, sai de lá.
Com os frascos na mão, vai até o pequeno balcão de bebidas que ficava próximo a uma das janelas grandes da ensolarada sala. De lá, retira um copo grande e uma garrafa de conhaque. Depois de encher o copo e tirar alguns comprimidos de Citalopram e Alprazolam, os toma junto com a bebida.
Em seguida, deixa os frascos, a garrafa e o copo em cima do balcão e vai até o quarto. Veste uma calça moletom verde que estava jogada no chão e para não sentir frio, joga um roupão branco, porém quase cinza pela sujeira que estava sobre o espaldar de uma cadeira, por cima das costas.
Estando vestido e “agasalhado”, volta para a sala. Pega o copo e a garrafa e os coloca em cima de uma mesinha próximo a uma poltrona de couro vermelho. Antes de sentar caminha até toca-cd e se prepara para apertar o play, pois o CD já estava no aparelho. Porém, quando ia aproximando o dedo do botão, um barulho interrompe: gritos, vindo lá de fora.
Incomodado, vai até a porta branca de madeira e, após destrancá-la, abre-a. Ao fazer isso, nota uma moça que aparentava vinte e seis anos e uma menina, com o rosto todo vermelho de tanto chorar. Ao vê-los, ele deduziu que fossem mãe e filha.
Logo que abriu a porta, elas pararam de discutir. A mãe, que aparentava ser latina, disse com um forte portunhol:
- Desculpa senhor! É que minha chica não quer ficar sozinha e tengo que trabajar!
Ele, por estar incomodado com o barulho, olha para elas com uma expressão séria. Mesmo assim, entende o argumento da moça, dizendo:
- Tudo bem. Só não façam tanto barulho, tá?
A moça, parecendo uma oriental, se prostrou repetidas vezes diante dele e em seguida, ordenou a sua filha:
- Vamos Sofia!

Antes de obedece-la, a menina olha para ele junto a sorriso encantador. Aquela demonstração de simpatia causa um medo no homem que, sentindo-se um bicho assustado, fecha a porta sem se despedir de ninguém. Para se acalmar finalmente aperta o play do toca-cd e um jazz deprimente é ecoado naquele cômodo.

terça-feira, 20 de outubro de 2015

DIA DE TRISTEZA

ESTOU TRISTE

Hoje estou triste
Sem coragem de sorrir.
Hoje meu mundo está sozinho
Porque você não está aqui.

Ando na rua
Não há ninguém.
Vou ao colégio
E não vejo alguém.

Volto pra casa
Sento perto da cama
E começo a chorar
Com a falta que você me faz.

Espero seu sorriso.
Espero sua presença
A me animar.
Hoje estou triste
E preciso te amar.





domingo, 18 de outubro de 2015

LAÇOS DE CASAMENTO - AVISO!

Olá pessoal que me acompanha aqui no blog. Tudo bem? Sei que anteriormente em um de meus vídeos disse que o site da editora Casa Cultura não está ainda apto para compras na internet. Entretanto, como tive alguns pedidos de pessoas de fora de Taubaté, resolvi antecipar a venda por aqui. Para quem está interessado e quer mais informações sobre a compra do livro LAÇOS DE CASAMENTO, comenta esse post, pode falar comigo pelo inbox no FACEBOOK ou no Whats. OBRIGADO! ^^ 

sexta-feira, 16 de outubro de 2015

POEMA NARRATIVO

Para mim: EU TE AMO!

Uma vez me interrogavas: Você me ama? Essa interrogação consumia-me diariamente meu pensamento. Então, mesmo com inúmeras noites mal dormidas, não achei a resposta: Apesar disso, quero lhe dizer: Amo-te mais do que amo-me.
Amo sua voz por que ecoa o mais fundo precipício do meu coração e é a melodia mais maravilhosa da existência humana que já ouviu. Amo seu sorriso que ensolara meu dia chuvoso, amo seus beijos que umedecem os meus lábios com o mel mais adocicado e gostoso da colmeia, Amo sua pele que é a seda mais suave, amo seu corpo que é a forma mais bonita já vista na face da Terra e amo seu olhar que é a entrada para o caminho do seu coração.
Perto de você, vivo a felicidade surreal; longe de você vivo a tristeza melancólica... sou solitário... sem rumo e sem vida. Olho no relógio, a vontade que me dá é atirar nele e matar o tempo só para estar do seu lado o mais rápido possível.
Ouço nossa canção favorita, logo chega ao meu pensamento bons momentos do amor que vivemos, viveremos e vamos viver. Passa também pela minha mente as brigas e as reconciliações de três dias e à vontade de estar com você de novo. Por que nosso amor nunca virará poeira, pois é a rocha que fortalece e o tranco para que minha vida continue feliz,
Deito no travesseiro e sonho com você descendo do céu, como um anjo e eu, sentado no lugar mais divino - meu Jardim do Éden. Lá, abro o jornal e leio a notícia: EU AMO VOCÊ! Perto de mim, no mar azul-turquesa vejo muitas garrafas. Pego uma delas e leio a mensagem de dentro: AMO VOCÊ! Isso só faz ter certeza de uma coisa. Que o panorama da minha tem que ter: VOCÊ, VOCÊ e VOCÊ! 
Seus passos até mim é o motivo para meu coração disparar com fervor e mil acasos para te amar.
No final, digo-lhe, não com minha boca, mas com o meu coração:
TE AMO E NÃO SE VÁ!

  

sábado, 26 de setembro de 2015

AVALIANDO COISAS - O LADO BOM DA VIDA (LIVRO)

O LADO BOM DA VIDA
Matthew Quick
2008

SINOPSE: Pat Peoples, um ex-professor na casa dos trinta anos, narra sua recém-saída de uma instituição psiquiátrica em Maryland. Convencido pelo médico e as enfermeiras do ‘lugar ruim’ que passou apenas alguns meses lá, ele não se lembra de qual foi o motivo que o fez ir para lá. Sabe apenas que Nikki, sua esposa, quis que ficassem uns “tempo separados”. Tentando recompor sua memória, agora repleta de lapsos, Pat começa a montar o filme de sua nova vida, mesmo que a realidade não seja tão promissora. Com seu pai se recusando a falar com ele, apenas quando os Eagles – time de futebol americano do mesmo – vencem; sua esposa negando revê-lo veemente; sua mãe e amigos escondendo coisas e evitando comentar o que aconteceu antes da internação. Pat, agora viciado em constantes exercícios físicos feitos na academia do porão e intermináveis, está tentando, com a ajuda de Tiffany – a moça que o segue nas corridas, e Cliff – seu terapeuta indiano, a reorganizar as coisas e reconquistar sua mulher. Abominando pessoas negativas, pois acredita em finais felizes e no lado bom da vida.
OPINIÃO: O livro tem uma premissa ótima, porém, para os mesmos que assistiram ao filme de 2012 antes, a comparação de início entre os dois é inevitável em alguns capítulos. Embora não afete em nada a continuação da leitura, pois com o passar das páginas, a história se torna instigante. Isso também vale para aqueles que não têm gosto por ler, pois os capítulos são pequenos. Alguns com descrições de cartas e um têm curtos resumos, como num filme, de momentos do narrador-personagem – ideia metafórica muito criativa do escritor. O vocabulário é de fácil entendimento, por este motivo, não a necessidade do dicionário. Os personagens, até os nãos orais, como Tiffany, são muito bem desenvolvidos de acordo com o enredo. E, mesmo com pouca descrição, os cenários fazem o leitor imaginar onde Pat e outros personagens estão. Até a constante inclusão do futebol americano, esporte não praticado no Brasil, nada afeta no gosto de quem lê o livro. A única ressalva são os parágrafos enormes, finalizados ou não, por ponto-e-vírgulas, isso dificulta a compreensão de alguns parágrafos.      

NOTA: 9,5

quinta-feira, 17 de setembro de 2015

ERA PRA SER ONTEM...

Ontem era para ser o dia do lançamento do meu primeiro livro LAÇOS DE CASAMENTO. Mas por um enorme imprevisto - uma chuva torrencial que alastrou São Paulo no último feriado e causou alguns estragos - esse sonho teve que ser adiado por um momento.
Admito que quando recebi esta notícia fiquei um pouco abalado, graças a enorme empolgação que sentia no momento. Tanto que nem consegui pensar em nada, não mudei o horário, nem avisei vocês, caros amigos que acompanham minha luta diária por um reconhecimento. Graças a DEUS, tenho pessoas especiais na minha família que fizeram isso por mim. Pensando em vocês, resolvi escrever este esclarecimento hoje, mas sem gravar um vídeo, como fiz da última vez, pois sei ¨falar¨ melhor graficamente e queria mostrar o que senti com toda essa situação momentânea.
Depois de pensar um pouco, vendo pelo lado bom, percebi que esse imprevisto foi bom para mim. Por que a nova data - 23\09 - fica próximo da comemoração dos meus 14 anos de carreira literária, completados no dia vinte e oito desse mês. Além disso, a empolgação de antes, culpa do meu emocional intenso, ficou mais racional. E, também, pessoas que disseram não poderem ir na data anterior, por causa de trabalho, etc; estarão nesse novo dia.
Falando nisso, agradeço a todos pelos comentários e curtidas do último vídeo que postei no Facebook, eles me fizeram perceber o quanto vocês estão torcendo por essa minha conquista. Confesso que me emocionei e admito que não esperava. Agradeço também as pessoas que, mesmo não podendo ir, por causa da distância, aceitaram o convite mandado por mim, pois isso mostra que mesmo de longe estão torcendo por mim. Agradeço também aos amigos de meus parentes que aceitaram ir, mesmo eu não os conhecendo. Por fim, agradeço (é coisa de escritor agradecer bastante, não liguem rs) ao carinho de todos comigo! Sempre disse que o LAÇOS DE CASAMENTO foi escrito pensando em vocês!
Última coisa: gostaria de pedir desculpas a quem foi ao local do evento e não me encontrou lá. Confesso que me senti muito constrangido quando soube disso, por isso peço que continue acreditando em mim! :)
Por este motivo, o convite ainda está de pé! Dia 23, na FACULDADE DEHONIANA, a partir das 19 horas, eu junto a outros autores, lançarei o tão esperado LAÇOS DE CASAMENTO. Abaixo tem o convite com endereço e tudo certinho para quem não souber. Espero vocês lá! Obrigado! :)



quinta-feira, 3 de setembro de 2015

PARA UMA PESSOA ESPECIAL!

Existem pessoas que aparecem na nossa vida do nada para marcar. Há alguns meses atrás isso aconteceu comigo. Foi bom? Sim, foi ótimo. Por que essa pessoa é especial demais, pois, com sua simpatia e carinho, me ajudou a enfrentar a tristeza que passava na época, mesmo sem saber disso. Não convém dizer o nome dela, pois deixaria-a constrangida. Mas quero agradece-la por aparecer na minha vida e fazer tudo isso. Por este motivo, a muito tempo atrás, escrevi um pequeno pensamento. Espero que a essa PESSOA ESPECIAL leia, se não ler, almejo que vocês, meus caros amigos do blog, apreciem,

Olhei pro céu e vi você. A estrela mais bonita e brilhante que tinha lá. Por isso, tentei pega-lá. Entretanto quanto mais tentava, mais você se afastava se tornando impossível pra mim. Então... acordei. Você é um sonho pra mim!

quarta-feira, 2 de setembro de 2015

SESSÃO NOVOS TALENTOS - JULIANA FIGUEIREDO

ENCONTRO

Tinha tudo pra dar certo
Mas a distancia está ali para complicar.
Suas declarações eram tantas
E ainda mais a vontade de se encontrar.
Um namoro virtual não é bom,
Seu coração pode se despedaçar

Mas esse amor estava só no começo,
A saudade ainda vai machucar
E machucara bastante este casal,
E como me ariscarei a falar:
Saudade sempre ira machucar e doer
Mas sempre haverá musicas para acalmar

E assim eles foram vivendo, e vivendo...
Das lembranças, músicas, filmes
e, claro, dos livros que liam.
Amor geek e sem chão sob os pés
Espera! Essa historia ainda não acabou!
Ainda vai acontecer muitas coisas a eles.

Ele se encantou pelas fotos dela,
Mais ainda ao ver seus cabelos ao vento.
Enquanto ela ia ao seu encontro,
Da área de embarque do aeroporto,
Até seu abraço apertado
E os beijos não podiam faltar, de fato.

Seus dias foram só diversão,
O que mais faziam era passear.
Eles não se desgrudavam,
Ficavam juntos para aproveitar
O tempo que nem viam passar,
Ambos tinham a quem amar.

Mas ela teve que voltar
E a distancia também voltou.
E depois, esse casal que se ama tanto,
Com o namoro acabou.
Voltaram com suas rotinas,
Mas esse amor que sentiam, nunca acabou.

Anos depois eles se reencontraram
De um jeito tão inesperado.
Eles estavam solteiros, disponíveis.
Marcaram para ficar conversando
E nunca mais se separaram.

Hoje, ela é sua esposa e ele seu marido. 

segunda-feira, 31 de agosto de 2015

CONVITE ESPECIAL!

Olá pessoal que acompanha o blog "AS FACES DO GUERREIRO DA PAZ"! Gostaria de fazer um convite especial para vocês! Dia 16\09, á partir das 19 horas, na minha cidade natal, Taubaté-SP, lanço o meu primeiro livro LAÇOS DE CASAMENTO e gostaria de convidá-los para me prestigiar num grande encontro literário. Segue embaixo o convite e mais dúvidas, é só falar comigo por inbox ou mensagem pelo Facebook! Obrigado! Espero vocês lá! :)


domingo, 30 de agosto de 2015

SESSÃO NOVOS TALENTOS - LARISSA CÉSAR

CONTO DAS ESTAÇÕES

No princípio, havia apenas o Verão e o Inverno. 
O Verão dizia que seu sol alegre era mais importante que a chuva triste do Inverno.
E o Inverno dizia que o gelo que cobria a terra era mais bonito que as árvores verdes do Verão.
Iniciou-se uma batalha árdua entre os dois.
O Verão queria a extinção do Inverno e o Inverno queria que o verão fosse com o seu calor pra outro lugar.
Para acabar com aquilo o grande criador decidiu criar a Primavera, que era bem dócil, para apaziguá-los.
Mas as brigas só fizeram aumentar, pois o Verão e o Inverno se tornaram amigos da Primavera e eles tinham muito ciúme dela.
Quando o a primavera ia ver o Inverno:
- Tu passas tempo demais com o Verão – alegava o Inverno. – Como podes ser amiga dele?
- O Verão não é tão mau Inverno. Devia parar com essa briguinha e tentar ser amigo dele.
E quando a primavera ia ver o Verão:
- Onde estavas Primavera?
- Com o Inverno. Seus flocos de neve são encantadores!
- Lá vem você de novo! O calor é bem melhor que o frio.
- Pois eu me encanto com os dois – ela dizia.
Primavera era musa do verão e o inverno e nenhum deles queria dividi-la.
Por isso, o criador decidiu criar o Outono para impedir que o verão e o Inverno batessem de frente.
O Outono não falava muito com seus vizinhos por achar que eles eram estranhos demais, mas sempre que os via discutindo, ele cumpria o seu dever.
Certo dia, ele achou uma linda flor em sua casa que os fortes ventos do Inverno trouxe.
Curioso com aquilo, ele procurou o Verão:
- Verão, se eu faço folhas caírem e você as faz crescer, você também faz nascer isso? – ele mostrou a flor
-Flores? Não! Quem faz nascer as flores é a dócil Primavera.
- Primavera?
- Sim, ela tentou apaziguar as coisas entre mim e o frio Inverno antes de você aparecer.
- Seu calor me impede de vê-la. Por favor, Verão, deixe-me ver a criadora das flores!
- Outono bom Outono, fique onde está que é o seu lugar. A Primavera não gosta de folhas secas, gosta de folhas vivas.
Outono se enfureceu e disse:
- Faço suas folhas caírem. Faço ventos tão fortes quanto o Inverno. Por que acha que ela não vai gostar de mim?
- Por que ela faz tudo nascer e você faz o contrário.
- Mas...
- Esqueça Outono, volte a matar coisas vivas. A primavera, você não vai ver.
  Outono então foi procurar o inverno
- Inverno grande inverno, posso pedir um favor?
- Diga o que quer e eu direi se posso ajudar
- Gostaria de conhecer a primavera, ouvi falar de sua beleza e encanto.
- Oh! Pena que ela não quer conhecer você. – mentiu o Inverno.
- Mas por quê?
- Você faz as suas lindas flores murcharem. Achou que ela ia gostar disso?
- Inverno, por favor, deixe-me falar com ela. Não tenho culpa se estou entre você e o Verão. Não tenho culpa se o meu dever é preparar a terra para um frio imenso.
- Me elogiar não vai fazer eu te deixar passar. – sorriu o Inverno.
Triste por não poder ver quem pinta a terra de cores alegres, o outono passou a ter a raiva do verão e o inverno por eles estarem em seu caminho.
E eles por sua vez se juntaram para impedir o outono de mandar mensagens para a gentil primavera.
Certo dia, uma das folhas secas do outono conseguiu chegar à primavera.
Na folha estava escrito:

“Apesar de não conhecê-la, eu amo você Primavera. Ass: Outono"
 
Então a Primavera pediu explicações para o Inverno e o Verão:
- Quem é o Outono?
- Outono?  Seria uma árvore? – indagou-se o Verão.
- Provavelmente – concordou o Inverno.
- De uns tempos para cá vocês não tem brigado – observou Primavera. – Não há nenhum motivo?
- Há algo de bom no calor – falou o Inverno. 
- O frio não é tão ruim – disse o Verão.
- O que há além de vocês?
- Não há nada, nem ninguém – falaram ao mesmo tempo.
Primavera não ficou convencida e tentou passar, mas ele não deixou.
O Outono, que por natureza era solitário, ficou mais isolado ainda quando o Verão lhe trouxe uma pétala de flor com a seguinte mensagem: "Pare de me mandar folhas tristes e secas! Você um monstro!”.
- Eu disse garoto – falou o verão. – Ela não gosta de você.
Achando que a mensagem era mesmo de Primavera, o Outono caiu em tristeza e mágoa.
As folhas passaram a cair mais depressa e os ventos eram mais fortes.
Aos poucos o Outono foi ficando tão parecido com o Inverno, que muitos começaram a achar que ele não existia.
Primavera continuou tentando em vão chegar ao que faz as folhas caírem. Até que depois simplesmente parou, pois no fundo sabia que Verão e Inverno jamais a deixariam passar.


sexta-feira, 28 de agosto de 2015

SESSÃO NOVOS TALENTOS - SUSY MENDES

Qual jovem não sonha em ir à Nova York? Pouquíssimas, não é verdade? Ivria, uma garota de nome diferente, com seus 21 anos é uma dessas que sonha em ir à NYC. Seu sonho se torna real depois de muito tempo se preparando. Ela está vivendo seu sonho há um ano. Faz faculdade de moda e agora seu sonho é ser famosa no meio da moda. Ela tem vários amores: seus pais, livros, sapatos, seu cabelo vermelho - é tingido, mas quem liga? - e seu namorado, John, 22 anos. Ele é um nerd metido a fofo, que adora tecnologia e a adora mais que tudo.
Às vezes tudo está indo tão bem, e então vem a sorte e... muda tudo. Às vezes pra super bom, outras não. Depende da maneira que você queira ver.
Você pode estar pensando: "É mais um romance clichê, igual os que já li." É pode ser, mas há algo de valioso nos clichês, muitas pessoas sonham em viver um, eu mesma daria tudo para viver um clichê à lá Nicholas Sparks. - menos morrer no final do livro, por favor!
Espero que amem e surpreendam-se.
https://www.wattpad.com/story/48294213-sorte-ao-amor